Diary // As maravilhas da gravidez #sóquenão

#sóquenão é exatamente o que tenho a dizer a quem me disse que estar grávida é a melhor coisa do mundo! Não me interpretem mal, amo de paixão esta criaturinha que trago dentro de mim e agora não saberia viver sem a ter aqui. Mas vá lá, estar grávida não é um mar de rosas! Porquê?! Então comecemos pelos enjoos… não, não é só uma leve má disposição, são enjoos que te deixam exausta e creio que a mim criaram duas ou três rugas. Ah sim, porque não tens vontade absolutamente nenhuma de sorrir! Além disso, começas a esticar, alargar, eu sei lá meninas, todo um turbilhão de mudanças no nosso corpo… e sim, sente-se, nos ossos, e acima de tudo, no humor! E dormir? Ah, dormir é tãoooo bom! Pois é, mas a partir do momento em que te dizem “Ah dormes de barriga pra baixo? Nem sabes o mal que estás a fazer ao bebé!” ou “Não podes dormir para o lado direito porque pressiona uma artéria e corta o oxigénio ao bebé!”, deixas de conseguir pregar olho, porque as únicas duas maneiras em que dormes que nem um anjinho são de barriga pra baixo ou para o lado direito. E quando finalmente arranjas uma posição minimamente confortável, lá vem ele, o chichi! Esta é só uma das 357 vezes em que tens de te levantar de noite! E depois onde é que a pessoa tem sono? No trabalho, claro! Depois tens um dos muitos problemas hormonais: borbulhas! Really? Nem na adolescência tive borbulhas e agora tenho de lidar com isso diariamente.  Ah, e já mencionei que tenho azia? Todas as noites parece que engoli um vulcão em erupção! …uhmf!

Já sei o que estão todas a pensar: “Ah já te queixas e ainda só estás de 17 semanas?” Espera para o final!” . Já sei, já sei que vou parecer um peixe balão a precisar de uma grua para me levantar e que não vou ter posição para dormir!Já sei que vou andar a rebolar por aí, a desejar que a criança saia rápido! Faz parte! Pois é, tal como todas as outras coisas e mais algumas que ainda não aconteceram comigo! Ah mas vão acontecer, paguei o pacote completo por isso, é tudo a que tenho direito!

Agora perguntam vocês se eu preferia não ter engravidado. Não, não preferia, não trocava por nada neste mundo! E um dia vou olhar para trás e saber que valeu tanto a pena!

Quando sentir a criaturinha a mexer, aposto que o discurso muda! Por agora, deixem-me ser e deixem-me queixar à vontade!

Kiss, J