Diary // Baby name

Escolher o nome de um bebé não é, de todo, uma tarefa fácil, principalmente quando é o teu bebé! Quando penso que essa é uma decisão para a vida, que será assim que a minha filha será chamada para todo o sempre, dá-me um arrepio na espinha! E se ela não gostar? 


Para muitos já não será uma surpresa, mas agora é oficial, está decidido o nome da criaturinha. Para os meus amigos era tão óbvio qual seria, mas a maioria das pessoas ainda fica a olhar para mim com cara de “estás a brincar certo?” quando lhes respondo à pergunta “E então? Já tem nome?”. Bem, na verdade, opiniões alheias não mudam de todo o quanto gosto do nome, mas sabe bem quando te dizem que é lindo!  Aurora! Aurora sempre soou tão bem! Sempre soube que quando tivesse uma filha, seria esse o seu nome: Aurora! 

Ainda houve um tempo de reflexão, porque  na verdade, o B não gostava do nome, até ao dia em que lhe perguntei como se chamaria a nossa filha, e ele pronunciou Aurora! “Afinal Aurora soa-me bem!”
E sabem quem ía adorar? A minha bisavó, Aurora! Por causa dela, e por ter sido a única Aurora que conheci, sempre me soou tão bem chamá-la!

Aurora significa “o nascer do sol”, “o raiar do dia”, “a que nasce do oriente” ou “aquela que brilha como o ouro”.
Aurora é um nome do latim aurora, com um significado bem evidente: “aquela que é como o nascer do sol”.
A palavra “aurora” está intimamente relacionada com a palavra também do latim aurum, que significa “ouro”.  O nascer do sol tem um brilho que se parece com o brilho reluzente do ouro. Aurora também pode significar então “a que brilha como o ouro”.
Aurora era a deusa romana da manhã, que na mitologia grega era a equivalente à deusa Eos.
De acordo com a mitologia romana, a deusa Aurora era responsável em sobrevoar os céus anunciando o começo de um novo dia.

E vocês, gostam do nome?
Kiss, J

Diary // And so the adventure begins

Já começa a não ser uma novidade, até porque já se nota bastante a minha nova condição! Sim, é isso mesmo, há bebé a caminho! E eu e o B não podíamos estar mais felizes! Verdade seja dita que eu dispensava ter enjoos e sentir-me gorda com um pneu a que ainda não se pode chamar de barriga. Ah pois, porque estar grávida não é o mar de rosas que se costuma pintar, pelo menos para mim, que tenho tido tudo a que tenho direito! Dizem que daqui para a frente é melhor, porque começamos a sentir o bebé e as coisas se tornam mais reais. Ah, e parece que passam os enjoos. Hope so!

Quem me conhece sabe que já queria ser mãe há muito, por isso não foi uma grande surpresa. Mas a verdade é quando acontece, nunca estamos à espera e a nossa vida dá uma volta completa. Passaram-me mil coisas pela cabeça: e agora? Este vai ser meu, não posso devolvê-lo, vou ter de andar com ele atrás (note-se que digo ele porque me refiro ao bebé, que eu sei bem que vai ser uma menina!). E depois, se eu não gosto dele? Será que isso é possível? Porque é que  ainda não estou perdidamente apaixonada? Será que vou ser uma boa mãe? E ele, vai gostar de mim? Estas foram as primeiras de muitas questões que me assombraram nos primeiros tempos. Depois fiz uma eco e vi um bebé, que não há dúvidas, é mesmo nosso! Ora imaginem, uma “coisinha” de 4,5 cm chucha no dedo! E pronto, deu-se o click! Apaixonei-me!

 

Agora resta-me esperar para saber o sexo do chuchão e continuar a rezar para caber nas poucas roupas que me servem! 😉

Kiss, J